• Estação Romana da Quinta da Abicada

    Estação Romana da Quinta da Abicada

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

  • Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

    Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

  • Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

    Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

  • Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

    Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

  • Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

    Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

  • Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

    Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

  • Torreões do Castelo de Loulé

    Torreões do Castelo de Loulé

  • Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

    Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

  • Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

    Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

  • Castelo de Paderne

    Castelo de Paderne

  • Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

    Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

  • Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

    Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

  • Fortaleza e Promontório de Sagres

    Fortaleza e Promontório de Sagres

  • Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

    Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

Monumentos do Algarve Bons Momentos Promontório de Sagres Prémio Regional Maria Veleda Património Cultural Imaterial Portal Cultura Portugal

Em Destaque

Linhas Cruzadas

“LINHAS CRUZADAS” - Fio da memória #3Construir

“Uma linha do tempo sobre o território, o espaço habitado, a arquitectura”

A Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe (Raposeira/ Vila do Bispo) irá receber o terceiro momento do projeto Linhas Cruzadas - Fio da memória #3 Construir - uma co-criação de Susana de Medeiros e Conceição Gonçalves- no sábado, dia 27 de outubro, pelas 10h30.

Partindo de uma seleção de plantas de edifícios públicos e monumentos do Algarve, resultante de um trabalho prévio de pesquisa, iremos convidar o público a transformar estes desenhos, que são uma construção abstrata do espaço habitado e vivido com os sentidos, numa escultura.

Com a participação da artista plástica Susana de Medeiros e da arquitecta Raquel Morais, haverá uma conversa sobre a utilização da cana na arquitectura vernácula, nas hortas e em objetos do quotidiano (do mundo rural). Em seguida os participantes serão convidados a criar uma escultura (podemos também falar de um desenho tridimensional) – feita com canas, fios e cordas - que depois de terminada será pendurada numa estrutura maior passando a fazer parte integrante de uma escultura colectiva.

Linhas Cruzadas é um projeto da Tertúlia Associação Sócio – Cultural de Aljezur e que integra o DiVaM – Dinamização e Valorização dos Monumentos – programa cultural organizado pela Direção Regional de Cultura do Algarve

Os participantes devem trazer roupa confortável, chapéu e pequeno lanche para piquenique.

A atividade tem a duração de cerca de 3 h30.

Contactos:

Direção Regional de Cultura do Algarve

geral@cultalg.gov.pt

Telef. 289 896070

"Jornadas RMA 2018"

Obras em MilreuRestauro dos Mosaicos Romanos da Villa de Milreu (Estói- Faro)

 

A Direcção Regional de Cultura do Algarve iniciou a primeira fase de trabalhos de conservação e restauro de um conjunto de Mosaicos das Ruínas Romanas de Milreu.

Os mosaicos que estão a ser intervencionados correspondem a uma fase de remodelação e ampliação da Villa Romana nos séculos III e IV d.C., nomeadamente o famoso pavimento “dos peixes e da lula sorridente” e os pavimentos dos cubicula, que lhe estão anexos. Esta intervenção tem como objectivo a conservação e a preservação do conjunto, bem como melhorar a leitura e a compreensão deste importante conjunto artístico.
Os trabalhos de conservação e restauro estão a cargo da firma “Nova Conservação – Restauro e Conservação do Património Artístico e Cultural, Lda” e estão previstos ter a duração de 5 meses. 

Esta acção tem o custo de 30 078,00 € (IVA incluído). Enquadra-se no «Projecto de Conservação Requalificação das Ruínas Romanas de Milreu», no valor total de 529 870,00 €, aprovado pelo «Programa CRESC Algarve 2020», com previsão de execução até 2020.

No trabalho em curso estão a ser realizadas acções de limpeza dos mosaicos, tratamento de infestantes, aplicação de argamassas de consolidação e refechamento de juntas. Os muros e os revestimentos das paredes dos compartimentos que integram os painéis de mosaicos serão também alvo de trabalhos de reparação e consolidação.
Estas ações irão condicionar a circulação no Monumento, facto pelo qual pedimos a vossa maior compreensão.

Contactos:

Direção Regional de Cultura do Algarve

E-mail: geral@cultalg.gov.pt

milreu@cultalg.gov.pt

Fortaleza Acessibilidades e área de acesso à Fortaleza de Sagres vão ser melhoradas

O “Projeto de Intervenção de Acessibilidades e Informação no Promontório de Sagres”, submetido pela Direção Regional de Cultura do Algarve à Linha de Apoio Turismo Acessível do Valorizar - Programa de Apoio à Valorização e Qualificação do Destino, do Turismo de Portugal, foi aprovado com um valor de investimento elegível no montante de 138.060,00€, financiado a 90% pelo Turismo de Portugal.

As ações a desenvolver vão melhorar consideravelmente a visita e potencialidades da Fortaleza de Sagres para todos os visitantes, nomeadamente aqueles com mobilidade reduzida e deficiência visual, no caso das acessibilidades e da disponibilização de áudio guias, bem como para os visitantes em geral com a colocação de sinalética em vários idiomas, complementar à existente. A colocação de pictogramas nos diferentes locais de visita permitirá também a sua identificação, numa linguagem universal.

Está prevista uma intervenção em três zonas distintas - no acesso imediato ao Túnel da Fortaleza de Sagres, no interior do Túnel e Torreão Central, e na Praça de Armas, que tem como objetivo, além da requalificação do acesso ao monumento, a criação de circuitos que possibilitem levar o visitante com dificuldades de locomoção ao maior número de locais possível.

A sinalética a implementar em vários idiomas é pertinente para identificação dos percursos e das várias valências para os visitantes em geral. Serão igualmente instalados pictogramas de interpretação universal.

O projeto prevê ainda a disponibilização de áudio guias com conteúdos para os principais pontos de interesse do monumento de forma a que o visitante com deficiência visual tenha uma perceção global do mesmo.

As intervenções propostas têm em consideração o conceito do Desenho Universal (Universal Design), com a conceção de produtos e ambientes para utilização por todos, na maior abrangência possível.

Prevê-se que o projeto esteja concluído nos primeiros meses de 2019.

ConviteInauguração da exposição:50 Livros 50 Algarves

Exposição bibliográfica, organizada no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural, dedicado à comemoração da riqueza e diversidade do património a nível europeu, nacional, regional e local.

Até 31 de outubro, a exposição ficará patente em simultâneo na CCDR Algarve, Biblioteca Municipal de Faro, Seminário de Faro, Biblioteca Municipal de Lagoa, Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António, Biblioteca António Rosa Mendes / Universidade do Algarve - Gambelas e Biblioteca Municipal de São Brás de Alportel.

O programa da inauguração inclui conferência e percurso cultural pelo património local (platibandas), sendo que a CONFERÊNCIA inicia-se às 16h30, no Auditório da CCDR Algarve, ESTANDO JÁ ABERTAS AS INSCRIÇÕES aqui: https://www.ccdr-alg.pt/site/node/6427/register

Esta iniciativa é uma parceria da CCDR Algarve, Direção Regional de Cultura, Biblioteca Municipal de Faro, Diocese do Algarve, Biblioteca Municipal de Lagoa, Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António, Biblioteca António Rosa Mendes / Universidade do Algarve - Gambelas e Biblioteca Municipal de Silves, Arquivo Distrital de Faro e Museu Municipal de Faro.

Congresso "Ciência, Cultura e Turismo Sustentável"

O Património cultural na Europa – Mapa interactivo

 

Saiba mais sobre o Ano Europeu do Património Cultural (2018) em http://anoeuropeu.patrimoniocultural.gov.pt/

Algarve 2020Algarve 2020 lança mais cinco concursos

O Programa Operacional CRESC ALGARVE 2020 publicou mais cinco avisos de apoio às associações empresariais e empresas para projetos de investimento nas áreas da Competitividade e da Internacionalização, disponibilizando 3 Milhões de Euros para o efeito.

Integrados no sistema de apoio a ações coletivas, os novos concursos visam a promoção do espírito empresarial; a internacionalização dos setores turismo, mar, agroalimentar, tecnologias de informação e comunicação (TIC) e indústrias culturais e criativas (ICC), domínios considerados prioritários na Estratégia Regional de Investigação e Inovação para a Especialização Inteligente (RIS 3 Algarve); qualificação; e, centros de incubação de base tecnológica.

Entre outras, até 30 de outubro, podem apresentar candidaturas e beneficiar destes apoios as entidades previstas no n.º 3 do artigo 130º do RECI - Regulamento Específico do Domínio da Competitividade e Internacionalização (última versão publicada através da Portaria n.º 217/2018, de 19 de julho), como associações empresariais, entidades não empresariais do sistema de I&I, agências e entidades públicas.

Para mais informações aqui

Fortaleza de SagresNova Agenda Europeia para a Cultura

A Comissão Europeia comunicou em 22 de maio de 2018 para o Parlamento Europeu, para o Conselho Europeu e da Europa, para o Conselho Económico e Social, e para o Comité das Regiões, sobre a necessidade de aumentar a consciência social e a importância económica do Património Cultural.

No texto de suporte desta comunicação reconhece a existência de várias crises financeiras no seio da Europa, o aumento das desigualdades sociais, a diversidade populacional, os populismos, a radicalização e as ameaças terroristas em curso.

O documento evidencia a forma como as novas tecnologias e a comunicação digital estão a transformar as sociedades, os estilos de vida, os padrões de consumo e as relações de poder, dentro das cadeias de valor económico.

Neste panorama de mudança, a cultura é assumida como mais importante do que nunca. A cultura pode ser a ponte de união e de enraizamento das comunidades. Mas um número emerge como muito preocupante: 1/3 dos europeus em 2017 não participava em nenhuma actividade cultural.

Este facto assustador deixa um enorme espaço para aumentar a participação das pessoas na cultura, todavia, a fragmentação do mercado, o acesso insuficiente a financiamentos, as condições contratuais, que caracterizam como de enorme incerteza, são reconhecidas no texto como condicionantes fortes para o desenvolvimento do sector cultural e para os seus profissionais.

Uma Nova Agenda e um Plano de Ação

A nova agenda proposta espera desenvolver sinergias entre cultura e educação, mas também contribuir para criar oportunidades na relação com o sector criativo e na dimensão digital. Os objectivos e ações descritas incluem três dimensões: a social (alargamento das atividades culturais para todos, encorajamento da mobilidade dos profissionais, proteção e promoção do património cultural como recurso partilhado); a económica (educação, inovação, emprego e crescimento); e a externa (fortalecimento e aproximação internacional através de laços culturais).

A participação da sociedade civil neste processo de “diálogo com a cultura e o património” é a mensagem final que se deseja concretizar através de Fóruns Europeus da Cultura, procurando assim uma nova abordagem e uma visão holística e integradora, que se espera que aconteça. Conclui-se então, que a cultura transforma e que a participação cultural une as pessoas.

Alexandra Rodrigues Gonçalves
(Directora Regional de Cultura do Algarve)

(Artigo publicado no Caderno Cultura.Sul de Junho)

 

 

Museus de Faro e LouléMuseus do Algarve mais uma vez distinguidos nos Prémios APOM 2018

A Direção Regional de Cultura do Algarve congratula-se e demonstra a sua satisfação com a distinção dos Museus Municipais de Faro e de Loulé, nos prémios da APOM (Associação Portuguesa de Museologia) deste ano.

Nas 26 categorias de prémios consagrados pela Associação, o Museu Municipal de Faro foi distinguido no Prémio Transporte de Património, e o Museu Municipal de Loulé, nos Prémios de Educação e Mediação Cultural, de Parceria e no de Catálogo. No caso do Museu Municipal de Loulé os dois prémios comungam da colaboração direta do Museu Nacional de Arqueologia, sob tutela da Direção Geral do Património Cultural.

Dar a conhecer e distinguir as boas práticas é uma forma fundamental para sensibilizar o aparecimento de novas propostas e para criar referências positivas no sector, e no território onde se inserem.

Reconhecem-se desta forma os esforços de difusão e desenvolvimento cultural destes importantes equipamentos no nosso território e na relação que procuram diariamente promover com as suas diferentes comunidades de visitantes.

Certamente que este resultado tem muitas pessoas e colaboradores envolvidos, para quem também fica a nossa palavra de apreço.

É um compromisso e um desafio de todos melhorar o acesso à cultura, aos museus e às colecções junto dos diferentes visitantes, pelo que, é fundamental esta partilha de boas notícias.

Há assim várias razões para celebrar e reforçar esta nota de congratulação com os prémios alcançados.

 

Alexandra Rodrigues Gonçalves

Direção Regional de Cultura do Algarve

28.05.2018

 mosaico do deus Oceano O mosaico do deus Oceano,  pertencente ao acervo do Museu Municipal de Faro, é classificado como Tesouro Nacional

Decreto n.º 9/2018 de 18 de maio

O mosaico do deus Oceano (cidade de Ossonoba/Faro), datável de finais do século II d.C. ou início do século III d.C., foi muito provavelmente produzido por oficina itinerante, de mosaístas de origem africana (Tunísia, Marrocos ou Líbia). Com as dimensões de 940 × 240 cm, o mosaico é formado por tesselas de calcário, xisto, rochas vulcânicas e vidros policromos, em tons de preto, branco, vermelho, ocre amarelo, azul, rosa e cinzento, segundo a técnica do opus tessellatum. O mosaico é composto por quatro painéis justapostos, de modo a formar uma composição retangular dominada por motivos geométricos (peltas, hexágonos, quadrados, triângulos e nós -de -Salomão), onde pontuam elementos fitomórficos formando tapete, delimitado em todo o seu perímetro por cercadura denteada bicromática entre duas bandas lisas, que seria originalmente antecedida por delicados enrolamentos em friso de 20 cm de largo, de que apenas resta uma pequena secção. O painel central corresponde a um quadrado linear, dentro do qual se inscreve um medalhão circular contendo a máscara ou cabeça do deus Oceanus, originalmente circundado pelos quatro Ventos, dos quais restam apenas dois bustos, afrontados, na parte superior. Os restantes painéis formam um extenso tapete dominado por composição ortogonal de hexágonos tangentes por dois vértices, definindo quadrados e estrelas de quatro pontas, dentro dos quais se inscrevem vinte e nove florões compósitos, distintos e individualizados. Este exemplar da arte musiva romana foi exumado em abril de 1976, em contexto de escavação arqueológica de emergência despoletada por obras públicas de saneamento levadas a cabo na esquina das Ruas Infante D. Henrique e Ventura Coelho, em Faro. Atualmente encontra -se incorporado no acervo do Museu Municipal de Faro. A classificação, nos termos dos n.os 1 a 3 do artigo 3.º do Decreto -Lei n.º 148/2015, de 4 de agosto, do mosaico romano acima identificado, tem em conta os critérios constantes do artigo 16.º do mesmo diploma, relativos ao interesse do bem como testemunho notável de vivências ou factos históricos, ao seu valor estético, técnico ou material intrínseco, à extensão do bem e o que nela se reflete do ponto de vista da memória coletiva e à sua importância na perspetiva da investigação histórica e científica. Nos termos do artigo 17.º do Decreto -Lei n.º 148/2015, de 4 de agosto, foi obtido o parecer favorável da Secção dos Museus, da Conservação e Restauro e do Património Imaterial do Conselho Nacional de Cultura, bem como foram cumpridos os procedimentos de audiência prévia, previstos no artigo 20.º do mesmo diploma, de acordo com o disposto no Código do Procedimento Administrativo.Assim: Ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 28.º da Lei n.º 107/2001, de 8 de setembro, e no n.º 1 do artigo 23.º do Decreto -Lei n.º 148/2015, de 4 de agosto, e nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Artigo único

Classificação

É classificado como bem móvel de interesse nacional, designado Tesouro Nacional, o mosaico romano do deus Oceano (cidade de Ossonoba/Faro), pertencente ao acervo do Museu Municipal de Faro.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 3 de maio de 2018. — Maria Manuel de Lemos Leitão Marques — Luís Filipe Carrilho de Castro Mendes. Assinado em 9 de maio de 2018. Publique -se. O Presidente da República, MARCELO REBELO DE SOUSA. Referendado em 14 de maio de 2018. O Primeiro -Ministro, António Luís Santos da Costa

Alcalar MonumentoDiVaM 2018, porque o Património do Algarve ‘mais do que vale a pena’

O Programa de Dinamização e Valorização dos Monumentos (DiVaM) da Direção Regional de Cultura do Algarve reabriu a 14 de abril passado, com a obra de salvaguarda e valorização em Alcalar e do seu monumento 9. O contexto arqueológico dos Monumentos Megalíticos de Alcalar, em particular do Monumento 9, teve escavações arqueológicas no ano 2010 e conhece um novo momento de valorização.

Património – Que futuro?

O reconhecimento público da importância global do património cultural é quase sempre determinado por decisões oficiais dos organismos de tutela, sem que aconteça uma verdadeira apropriação ou tomada de consciência da maioria da comunidade, em relação aos seus significados. Pelo que, neste Ano Europeu do Património Cultural, o tema determinado para a 5ª edição do DiVaM é: Património – Que futuro? [ Postal - Cultura.Sul ] 

DECLARAÇÃO ANUAL PARA APOIOS FINANCEIROS A ATRIBUIR EM 2018

Declaração

A DGARTES publica pela 1ª vez uma declaração anual, prevista no  Decreto-Lei n.º 103/2017, de 24 de agosto, que estabelece os programas de apoio a abrir no ano seguinte, e respetivo prazo limite de abertura, antecipando informação essencial às entidades que procuram apoio financeiro para a realização de projetos artísticos profissionais.

Os apoios financeiros previstos atribuir no ano de 2018, visam fomentar a criação, produção e difusão das artes através do incentivo a diversas áreas disciplinares e domínios de atividade; promover a articulação das artes com outras áreas setoriais e valorizar a fruição artística enquanto instrumento de correção de assimetrias territoriais e de desenvolvimento humano, social, económico e cultural.

Podem ser apoiados projetos na área das artes performativas (que incluem o circo contemporâneo e as artes de rua, a dança, a música e o teatro), na área das artes visuais (arquitetura, artes plásticas, design, fotografia e novos media) e área de cruzamentos disciplinares.

Para aceder à legislação, registo de utilizador, avisos de  abertura e materiais de apoio, os interessados podem consultar o Balcão Artes.

/
DECLARAÇÃO ANUAL
Conheça aqui a declaração anual.

Route

UMAYYAD Route

MELHORIA DA COESÃO TERRITORIAL MEDITERRÂNICA ATRAVÉS DA CONFIGURAÇÃO DE UM ITINERÁRIO TURÍSTICO-CULTURAL.