• Estação Romana da Quinta da Abicada

    Estação Romana da Quinta da Abicada

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

  • Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

    Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

  • Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

    Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

  • Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

    Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

  • Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

    Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

  • Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

    Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

  • Torreões do Castelo de Loulé

    Torreões do Castelo de Loulé

  • Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

    Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

  • Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

    Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

  • Castelo de Paderne

    Castelo de Paderne

  • Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

    Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

  • Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

    Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

  • Fortaleza e Promontório de Sagres

    Fortaleza e Promontório de Sagres

  • Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

    Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

Página Inicial Monumentos do Algarve Bons Momentos Promontório de Sagres Prémio Regional Maria Veleda

Em Destaque

Convite

Cerimónia de entrega do prémio “Maria Veleda” a José Silva Louro, no Teatro Lethes em Faro, dia 11 de dezembro, às 16.30 horas

O Prémio Regional «Maria Veleda» é uma iniciativa da Direção Regional de Cultura do Algarve, que se propõe destacar e reconhecer a atividade cultural de personalidades algarvias, protagonistas de intervenções particularmente relevantes e inovadoras na Região e, também dar um contributo à medida «Mulheres criadoras de cultura», preconizada no V Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e não Discriminação a decorrer no período 2014-2017.

Maria Veleda (1871-1955), pseudónimo de Maria Carolina Frederico Crispim, nasceu em Faro, em 1871. Foi professora primária e pioneira na luta pela educação das crianças e pelos direitos das mulheres, pelos ideais de justiça, pela liberdade, pela igualdade e pela democracia.

No dia 10 de Outubro de 2016 reuniram-se os elementos do júri, constituído por Alexandra Rodrigues Gonçalves, Diretora Regional de Cultura do Algarve, que presidiu à reunião, Ana Paula Amendoeira, Diretora Regional de Cultura do Alentejo, António Branco, Reitor da Universidade do Algarve (UALg), Idálio Revez, Jornalista do «Público», José Carlos Barros, Arquiteto Paisagista, Lídia Jorge, Escritora, Mirian Tavares, Diretora da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UAlg., Natividade Monteiro, Professora e Investigadora e Paulo Cunha, Professor de Música, para avaliar as oito candidaturas rececionadas.

Em reunião de avaliação do conjunto das candidaturas recebidas para o Prémio Regional «Maria Veleda» | 2016, o Júri, por unanimidade, deliberou distinguir com o Prémio Regional “Maria Veleda” 2016, o Professor José Luís Leite da Silva Louro, por reconhecer que no seu percurso de vida os princípios de igualdade de género e de oportunidades, bem como do exercício de uma cidadania ativa estão presentes na sua atividade de pedagogo e de cidadão, com uma participação cívica e cultural ativa no Algarve, dando uma clara resposta aos critérios subjacentes à criação desta distinção.

A cerimónia de entrega do galardão, com uma dotação de 5.000,00€, e uma medalha comemorativa, da empresa Nova Cortiça que assim se associa ao Prémio Regional «Maria Veleda» irá acontecer no Teatro Lethes, em Faro,  no dia 11 de dezembro, pelas 16.30 horas, com a presença de Sua Excelência o Secretário de Estado da Cultura, Dr. Miguel Honrado, o Presidente da Câmara Municipal de Faro, Dr. Rogério Bacalhau, a Diretora Regional de Cultura, Drº Alexandra Gonçalves, todos os elementos que compuseram o júri e o apoio da ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve.

A esta cerimónia quiseram marcar presença alguns artistas que irão apresentar breves momentos de musica e de teatro.

Cartaz Cearte Estágio profissional em empresa e atelier do sector

O CEARTE, Coimbra, vai realizar o Curso Técnico Especialista (CET) em ofícios de arte cerâmica e vidro, nível 5, de 1450 horas. O curso decorrerá de Janeiro a Dezembro de 2017, de 2ª a 6ª Feira.

O curso destina-se:

a jovens  e adultos com mais de 18 anos;

com o 12º ano, ou que tendo estado inscritos no 12.º ano, não o tenham concluído;

licenciados ou titulares de um CET que pretendam a sua requalificação profissional.

Será umcurso gratuito com direito à refeição em espécie e pagamento total das despesas efetuadas em transportes públicos coletivos ou subsídio de transporte.

Aos titulares do CET que pretendam prosseguir estudos no ensino superior serão atribuídas equivalências na Licenciatura em Design de ProdutoCerâmica e Vidro da Escola Superior de Arte e Design ESAD.CR.

 

Inscrições e informações em www.cearte.pt ou pelo telefone 239 4972 00.

Cartaz IV Encontro Internacional de Arte e ComunidadeMEXE IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE ARTE E COMUNIDADE // ART AND COMMUNITY FESTIVA

O MEXE_Encontro Internacional de Arte e Comunidade tem vindo a afirmar-se ao longo das suas três edições (2011, 2013 e 2015) como um dos espaços, nacionais e internacionais, incontornáveis de cruzamento e aprofundamento no contexto das práticas artísticas comunitárias.

Nas edições anteriores o MEXE contou com mais de 1000 participantes de 22 países e mais de 15.000 espectadores em 99 ações que ocuparam 30 espaços distintos da cidade do Porto.

O MEXE organiza-se com base em quatro pilares:

Apresentação - Espetáculos | Instalações | Performances

Pensamento - Encontro Internacional de Reflexão sobre Práticas Artísticas Comunitárias - EIRPAC

Formação - Oficinas

Documentação - Mostra de Documentários 

Nesta quarta edição o MEXE tem como grande tema “Cidade - Corpo Coletivo”. Que cidade nos inspirou no passado? Que cidade se “esgotou”? Que formas toma a cidade? Que cidade procuramos? Como construímos cidade? Como se organiza e funciona esta cidade? A cidade como plataforma de exercício da cidadania, como arena central da existência humana. A cidade nos seus múltiplos sentidos, numa visão larga, contemplando as dimensões humana e física. A cidade como potência de múltiplas possibilidades de células de organização social, muito para além do administrativo e funcional, do rural e do urbano, muito para além da tendência para etiquetar. espartilhar e apartar para se viver. A cidade à escala dos cidadãos, mais centrada no humano. A cidade como lugar de corpos em ação que se cruzam e participam na inscrição urgente do nosso tempo.

A cidade onde se procuram e encontram continuamente novos contornos para os conceitos de: Corpo Coletivo; Utopia; Participação; Diálogo Periferia-Centro e Cruzamento.

Consulte aqui o Regulamento e Ficha de Inscrição

Cerimónia Sagres, Marca do Património Europeu e Lugar de Globalização

Descerramento da placa MPE

No passado dia 28 de outubro, a Direção Regional de Cultura do Algarve promoveu na Fortaleza de Sagres, a cerimónia Sagres, Marca do Património Europeu e Lugar de Globalização.

O Promontório de Sagres foi distinguido pela União Europeia com a Marca do Património Europeu, como um dos lugares que tiveram um papel relevante na construção da Europa, associado à figura do Infante D. Henrique e aos Descobrimentos Portugueses.

No decorrer da cerimónia foi lançado o livro “Henrique, o Precursor da Globalização”, apresentado pelo seu autor, o historiador João Paulo Oliveira e Costa. A obra, editada pela Direção Regional de Cultura do Algarve e disponível em quatro línguas (português, espanhol, inglês e alemão) propõe-nos a descoberta de facetas menos conhecidas da personalidade do Infante.

Foi também ocasião para a apresentação do novo sítio da internet http://promontoriodesagres.pt, a cargo de Ana Neves, da empresa Imagetic que desenvolveu a componente tecnológica do projeto: uma plataforma digital integrada composta pelo website (já disponível nas versões em inglês e espanhol) e uma aplicação mobile e respetiva ativação com conteúdos georeferenciados, com notificações automáticas informativas sobre diversos pontos de interesse na visita à Fortaleza de Sagres. A aplicação poderá ser descarregada muito em breve, de forma gratuita, nas lojas Google e Apple.

Decorreu ainda a estreia mundial do filme informativo e promocional “À descoberta do Promontório de Sagres”, da produtora B’lizzard com consultoria de Pedro Gaspar & Cia. Pretendendo cativar o público mais jovem para o património e para o extremo Barlavento algarvio, este filme é visualizável no site do Promontório, dispondo de versões legendadas em inglês e espanhol.

A cerimónia terminou com o descerramento da placa Marca do Património Europeu.

 Os materiais agora disponibilizadas ao público (livro, site e filme) foram financiados por fundos comunitários, através do PO Algarve21, e pelo Turismo de Portugal.

ESCLARECIMENTO: "Trabalhos arqueológicos na Cidade Romana da Balsa"

Em face das informações que têm sido difundidas na comunicação social sobre este assunto, a Direção Regional de Cultura do Algarve vem informar, exclusivamente no espírito da sua missão, a protecção do Património Cultural, e não se pronunciando sobre questões ambientais ou outras, da responsabilidade das demais entidades envolvidas no ordenamento e gestão territorial desta zona.

As ruínas da antiga cidade romana de Balsa, descobertas na segunda metade do século XIX, ocupam uma vasta área situada junto à localidade de Luz de Tavira, em terrenos privados, maioritariamente na Quinta da Torre d'Aires. Os terrenos desta quinta correspondem a uma exploração agrícola e foram intensiva, sistemática e (alegadamente) deliberadamente terraplanados e subsolados ao longo de dezenas de anos, sobretudo na segunda metade do século XX, pelos anteriores proprietários, arrasando muitos dos vestígios arqueológicos ali remanescentes. Sem que a continuação do uso agrícola do solo, nomeadamente com o cultivo de vinha (especialmente gravoso para a conservação dos vestígios arqueológicos) tenha sido, até 2015, de algum modo restringida pelas entidades responsáveis da administração central ou local e sem reações negativas por parte dos proprietários vizinhos.

Continuar a ler

Cartaz Maria Veleda

Prémio Regional Maria Veleda|2016  atribuído a José Luís Leite da Silva Louro

O Prémio Regional “Maria Veleda”|2016, foi atribuído por unanimidade, à personalidade José Luís Leite da Silva Louro, candidatura apresentada pelo Club Farense.

No dia 10 de Outubro de 2016 reuniram-se os elementos do júri, constituído por Alexandra Rodrigues Gonçalves, Diretora Regional de Cultura do Algarve, que presidiu à reunião, Ana Paula Amendoeira, Diretora Regional de Cultura do Alentejo, António Branco, Reitor da Universidade do Algarve (UALg), Idálio Revez, Jornalista do «Público», José Carlos Barros, Arquiteto Paisagista, Lídia Jorge, Escritora, Mirian Tavares, Diretora da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UAlg., Natividade Monteiro, Professora e Investigadora e Paulo Cunha, Professor de Música, para avaliar as oito candidaturas rececionadas.

Após análise do conjunto das candidaturas, o júri deliberou distinguir com o Prémio Regional “Maria Veleda” 2016, o Professor José Luís Leite da Silva Louro, reconhecendo que o seu percurso de vida, bem como a sua participação cívica e cultural são um relevante testemunho que vai totalmente ao encontro dos critérios e do espírito subjacentes a esta distinção.

A sua ação e intervenção no âmbito do ensino, mas também da juventude e do associativismo, foi precursora de novas práticas culturais no Algarve, tendo estado na criação do grupo de teatro universitário SIN-CERA, na fundação da Companhia de Teatro do Algarve e na formação do grupo de teatro Al-Masrah.

Para além de um incontestável pedagogo e um amante e especializado conhecedor da poesia pessoana, assumiu a função de programador no Teatro Lethes e, mais tarde, no Teatro Municipal de Faro. Mobilizou jovens e marcou a história do teatro no Algarve, tornando-se numa referência inquestionável da educação pela arte na região.

Na relação com os princípios de igualdade de género e de oportunidades, bem como do exercício de uma cidadania ativa foi responsável, entre outras atividades, pela peça levada à cena Casa de Bonecas do dramaturgo Henrik Ibsen de 1879, texto icónico na luta pela emancipação das mulheres.

A Direção Regional de Cultura do Algarve felicita, igualmente, os restantes candidatos pelos projetos e ações que cada um tem concretizado e que em muito têm contribuído para o desenvolvimento cultural do Algarve.

A criação deste Prémio, em 2014 pela Direção Regional de Cultura do Algarve, pretende reconhecer o percurso cultural e cívico de personalidades que se tenham revelado como protagonistas de intervenções particularmente relevantes e inovadoras na Região como, igualmente, inscrever-se no âmbito da resposta às medidas previstas no programa “Mulheres criadora de cultura”, preconizadas no V Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e não Discriminação, a decorrer no período de 2014-2017.

A entrega do galardão, previsto para o mês dezembro em espaço e dia a anunciar brevemente, tem uma dotação de 5.000,00€ e uma medalha comemorativa, da empresa de cortiça PELCOR que, desde o início, está associada ao Prémio Regional «Maria Veleda».

José LouroO Algarve presta desta forma o seu reconhecimento público a José Louro, uma grande personalidade da cultura algarvia, pelo que, este é um momento de celebração para a Cultura da região. 

 Assinatura do Protocolo de Colaboração para Valorização, Restauro e Conservação da Torre Albarrã do Castelo de Paderne Castelo de Paderne

O Castelo de Paderne está classificado com o grau de Imóvel de Interesse Público, pelo Decreto N.º 516/71 de 22-11, e, beneficia de uma Zona Especial de Protecção, nos termos da Portaria n.º 978/99, Diário da República (2.ªsérie). A sua classificação como um bem de valor cultural nacional atendeu a que corresponde ao paradigma de um hisn - uma pequena fortificação rural hispano--muçulmana do período almóada (2ª metade do século XII e primeiras décadas do século XIII)-  em cujas muralhas foi utilizado um único e já perdido processo construtivo, a taipa militar e que  a estrutura chegou, até nós, mantendo a técnica construtiva e o desenho que lhe deram os seus fundadores, no século XII.

Os vestígios arqueológicos, no interior do castelo, correspondem ao urbanismo islâmico da fundação, às posteriores ocupações medieval e moderna, e, à ruína de uma capela que teria a actual configuração, em inícios do séc. XVIII.

No âmbito regional, pelas suas características estruturais e pela qualidade ambiental e paisagística da sua envolvente, o castelo de Paderne impõe-se como um notável valor cultural, que ganha um reforçado sentido devido à sua plena compatibilidade com o uso turístico, associado ao facto de se situar no concelho de Albufeira, município que acolhe uma elevada percentagem do movimento turístico da região algarvia.

Subentende-se a conveniência de valorizar este bem cultural, de significado histórico-cultural impar na região. Para isso é necessário a continuação de obras de conservação e restauro dos módulos de taipa almóada, agora na Torre Albarrã utilizando, como em anterior intervenção piloto, os materiais e os processos construtivos compatíveis com a tipologia construtiva deste edifício histórico. O custo total da intervenção está previsto com um valor de oitenta e sete mil quatrocentos e oitenta e oito euros e cinquenta e dois cêntimos, a que acrescerá o IVA à taxa legal.

A Direção Regional de Cultura, que dispõe, com autoria do Arq. Manuel López Vicente, de um projecto de conservação e restauro, para a Torre Albarrã, desde 2010, não conseguiu até à data por questões de orçamentais, satisfazer aquele objetivo, apesar de  o ter mantido entre as suas prioridades.

De acordo com os dois protocolos assinados, dia 28 de julho, nos Paços do Concelho de Albufeira, a Direção Regional de Cultura do Algarve compromete-se a candidatar a obra ao CRESCE 2020,  a Câmara Municipal de Albufeira, em financiar a compartida nacional em 30 000 Euros  e a Fundação Milénio BCP em conceder  um mecenato no valor de 30  000 Euros.

Regista-se com satisfação esta parceria inovadora entre as três entidades, em favor da valorização do património algarvio,  de que devemos garantir a continuidade às gerações futuras.

Entrevista da Drª Alexandra Gonçalves, Diretora Regional da Cultura do Algarve, ao Sul Informação e à Rádio Universidade do Algarve (RUA)

Vídeo da Rota Omíada disponível a partir de hoje.

Uma versão mais curta e um documentário mais rico revelam os parceiros do projecto e suportam um excelente documentário sobre o legado Omíada nestes países!

Ver o filme completo (1:00.23)

Facebook

Promontório de Sagres é reconhecido como Marca do Património Europeu

Vista aérea do Promontório de Sagres

Créditos fotográficos:
DRCAlgarve 2015/ Sergiy Shcheblyki

Foi hoje tornado público o resultado da avaliação da candidatura apresentada no início deste ano, pela Direção Regional de Cultura do Algarve, a Marca do Património Europeu.

A Marca do Património Europeu (MPE) é uma nova medida da União Europeia que tem por base uma iniciativa intergovernamental lançada em 2006. Foi estabelecida pelo Parlamento e pelo Conselho da União Europeia.

No excerto a ser divulgado pela União Europeia refere-se que: “A Ponta de Sagres apresenta uma paisagem rica do ponto de vista histórico e cultural situada no canto sudoeste da Península Ibérica. Nela se encontram vestígios arqueológicos significativos, estruturas urbanas e monumentos que atestam a sua localização estratégica e a sua importância ao longo dos séculos.

Continuar a ler